5 contos de fadas dos irmãos Grimm para as crianças chorarem

Os contos de fadas dos irmãos Grimm vem encantando crianças de todo o mundo por gerações, já tendo sido traduzidos para mais de 160 línguas.

Os contos dos irmãos Grimm se tornaram Patrimônio da Humanidade em 2005 pela UNESCO, braço da ONU para a preservação da Cultura.

É importante destacar, todavia, que Jacob e Wilhelm Grimm não foram os autores de contos como “Branca de Neve e os Sete Anões”, “Cinderela” e “João e Maria”. 

O livro CONTOS DA MÃE GANSA (1697), de Charles Perrault, marca o início dos contos de fadas como gênero literário.

Assim como aconteceu com Charles Perrault na França de fins do século dezessete, os irmãos Grimm desenvolveram suas histórias a partir dos registros de narrativas alemãs coletados em meio a camponeses, pequenos comerciantes e outras pessoas de origem simples no campo e na cidade.

Muitos destes contos, porém já circulavam não apenas na Alemanha, mas em toda a Europa e até mesmo em outros continentes. 

A primeira Cinderela que se tem registro, por exemplo, se encontra na história “Yeh-hsien”, datada do ano de 850 d.C. na China.

A Cinderela chinesa tinha um vestido feito de plumas de martim-pescador e pequenos sapatos de ouro.

No caso específico dos Grimms, enquanto pesquisadores do campo da Lingüística Histórica, os contos que conhecemos hoje foram a consequência do trabalho de investigação e análise da Língua Alemã do início do século dezenove.

A intenção era o registro e preservação da cultura alemã frente a um contexto de rápidas mudanças culturais em curso com a modernidade.    

Capa da edição de 1819

O resultado foi a publicação inicial em 1812 do volume 1 com 86 contos na obra Kinder- und Hausmärchen

Volume 1 do CONTOS MARAVILHOSOS INFANTIS E DOMÉSTICOS (2012), da editora Cosac Naify.

Em 1815, mais 70 contos foram publicados no volume 2, contabilizando 156 contos

Volume 2 do CONTOS MARAVILHOSOS INFANTIS E DOMÉSTICOS (2012), da editora Cosac Naify.

Inicialmente a obra era voltada para o público adulto em virtude da presença de elementos grotescos, violentos e de forte teor sexual, remetendo a sua origem no meio popular.

Ainda assim, o maravilhoso da obra atraiu a atenção das crianças e, nas edições seguintes, as narrativas foram adaptadas pelos irmãos para o público infantil.

Outras edições se seguiram ao longo do século dezenove culminando na edição de 1857 com 211 contos, sendo destes 11 lendas.  

Mas quanto destes contos você conhece?

Veja agora abaixo 5 contos de fadas dos irmãos Grimm que certamente fariam as crianças chorarem na hora de dormir.

1. “O judeu entre os espinhos”

Um conto que reflete bem o histórico antissemitismo alemão.

Conto n°. 24 do Volume 2 da edição de 1815.

Dono de uma rabeca mágica que obriga a todos que a ouvem a dançarem sem parar, um jovem servo força um velho judeu que cruzou por seu caminho a se embrenhar dentro de arbustos de espinhos a despeito dos pedidos desesperados do homem:

“Pelo amor de Deus”, gritou o judeu, “pare de tocar a rabeca, o que foi que eu fiz de errado?”

Liberado do encanto apenas após entregar 100 moedas para o rapaz, o judeu consegue se desvencilhar do espinheiro e, com a roupa em frangalhos e o corpo todo ensanguentado, procura as autoridades que acabam por levar o jovem a julgamento e o condenam a morte.

Músico e pilantra.

No momento da execução, porém, o servo pede como último desejo que ele possa tocar a rabeca e o juiz concede, levando a todos da corte a dançarem sem parar.

Esgotado fisicamente de tanto dançar, o juiz permite que o jovem fique com o dinheiro e culpa o judeu pela situação. O velho judeu é enforcado e o rapaz fica livre. Fim.  

2. “Quando as crianças brincaram de açougueiro”

Por razões óbvias, este conto só apareceu na edição de 1815, sendo cortada das publicações seguintes.

Conto n°. 22 do Volume 1 da edição de 1812.

Este conto possui duas versões.

Na primeira, um grupo de crianças de 6 anos de idade decidem brincar de cozinha. Um menino seria o açougueiro, um menino e uma menina seriam os cozinheiros, outra menina seria a assistente de cozinha e, por fim, um menino seria o leitão. 

O “açougueiro” então se aproximou do “leitão” e cortou sua goela e a “assistente” recolheu o sangue na vasilha para fazer salsichas.

Um senhor viu a cena e levou o menino açougueiro ao conselho da cidade, mas após intensa discussão não se sabia o que fazer, pois o assassinato tinha acontecido como uma brincadeira de crianças.

Por fim, seguindo o conselho de um velho conselheiro e afim de testar se o menino ainda era puro, uma maça foi colocada em uma das mãos do menino e na outra uma moeda reluzente. O menino, sorrindo, escolhe a maça e é inocentado. 

Na segunda versão do conto, após verem o pai matar um porco, dois irmãos decidem repetir a ação e o mais velho enfia a faca na garganta do mais novo.

Ao ouvir o grito de seu filho, a mãe larga seu bebê na banheira e, tomada pelo desespero ao ver a cena sangrenta, arranca a faca da garganta do filho e a crava no coração do mais velho.

Este caso passava fácil no programa do Datena

Retornando correndo para casa, a mãe constata que o bebê havia se afogado na banheira e, enlouquecida, se enforca. Ao retornar do campo, o marido percebe tudo o que havia acontecido e morre logo depois de depressão. Fim

3. “A mão com a faca”

Abuso infantil e inveja marcam este conto

Conto n°. 08 do Volume 1 da edição de 1812.

Uma mãe tinha uma filha e três filhos, mas demonstrava amor apenas pelos rapazes, enquanto sua filha era submetida a trabalho pesado.

Todos os dias a mãe dava uma faca cega e sem ponta para a menina com a qual ela tinha de cortar lenha para a casa.

Um elfo se apaixonou pela jovem e todos os dias lhe emprestava uma faca encantada que fazia o trabalho da menina ficar mais fácil. Assim ela conseguia realizar a pesada tarefa de forma rápida.

Na volta, ela batia duas vezes na rocha, e a mão do bondoso elfo aparecia para pegar a faca até o dia seguinte. 

Desconfiada da eficiência da filha, a mãe manda os filhos vigiarem a irmã e eles veem o elfo entregando a faca a menina.

Os irmãos tomam a faca da jovem à força e batem duas vez na rocha. Quando o elfo estende sua mão os rapazes decepam a mão da criatura com sua própria faca.

Ensanguentado e pensando ter sido traído pela sua amada, o elfo nunca mais foi visto e a menina continuou sendo explorada. Fim.

4. “As moedas roubadas”

Conto n°. 07 do Volume 1 da edição de 1812.

Um homem estava almoçando na casa do amigo quando, ao meio dia, a porta se abriu e entrou uma menina muito pálida vestida de branco

Sem nada dizer e sem olhar para o visitante, a menina se dirigiu para a sala ao lado. Após algum tempo ela retornou e saiu da casa. A mesma cena se repetiu nos dois dias seguintes no mesmo horário.

Ao indagar seu amigo e sua esposa sobre a menina o casal disse que nada vira ou ouvira. 

No dia seguinte, quando novamente surgiu, a menina foi seguida pelo homem até a sala ao lado e lá ele viu a menina sentada ao chão arranhando avidamente as frestas do assoalho e cavando algo sem ter sucesso.

O conto apela para a tradição sobrenatural do tesouro escondido.

Quando o visitante descreveu em detalhes a garota, a esposa do dono da casa a reconheceu como sendo a filha que havia morrido há quatro semanas.

Ao levantarem as tábuas do piso, eles encontraram 2 moedas que a mãe tinha pedido a menina para dar aos pobres, mas ela resolveu esconder a quantia para comprar biscoitos em outra oportunidade.

Ao falecer seu espirito não conseguiu descanso e assim, sempre ao meio dia, ela surgia para tentar pegar as moedas e cumprir o pedido da mãe.

A família então pegou as moedas, entregou a um pobre e o fantasma nunca mais apareceu.

5. “As crianças famintas”

A fome e o tema do canibalismo são temas recorrentes nos contos de fadas

Conto n°. 57 do Volume 2 da edição de 1815.

Era uma vez uma velha que se viu em tamanha pobreza e com a fome tão insuportável que ficou fora de si e decidiu comer uma de suas duas filhas.

Ela foi até a filha mais velha e disse:

“Tenho de matá-la, para que eu tenha algo para comer”.

A filha mais velha, porém, conseguiu convencê-la a tentar achar comida em algum lugar e, pouco tempo depois, a menina retornou com um pedacinho de pão que foi prontamente dividido entre as três.

Como a fome persistia ela se dirigiu a filha mais nova: 

“Então agora é a sua vez!”

Assim como sua irmã, a caçula convenceu a mãe a tentar conseguir comida em algum lugar e, logo depois, a menina retornou com dois pedacinhos de pão que foram devorados pelas três.

A realidade da família do conto reflete a situação camponesa na Idade Média na Europa.

Ainda assim, algumas horas depois a mãe se dirigiu as duas e falou: 

“Vocês terão de morrer, senão iremos morrer de fome”, ao que elas responderam:

“Querida mãe, nós vamos deitar e dormir e não vamos levantar antes que amanheça o mais novo dia”.

E o conto termina da seguinte forma:

“Então elas se deitaram e dormiram um sono profundo do qual ninguém conseguiu acordá-las; já a mãe foi embora e ninguém sabe onde foi parar”.

As crianças morreram de fome, ou a mãe as matou para não morrerem de fome? Você decide.

E aí? Qual é conto de fada, destes acima, que você vai contar para as crianças na hora de dormir hoje?

Deixe seu comentário e compartilhe o post.

Assine o blog para receber semanalmente uma nova postagem como essa e bons sonhos! 

Fontes utilizadas

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. São Paulo: Ática, 1998.

GRIMM, Jacob, GRIMM Wilhelm. Contos maravilhosos infantis e domésticos. Trad. Christine Röhrig. Vol. 1 & 2. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

TATAR, Maria. Contos de fadas. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

TATAR, Maria. (ed.) The Classic Fairy Tales: a norton critical edition. New York: W. W. Norton & Company Inc, 1999.

Escrito por Alexander Meireles da Silva

Contato: fantasticursos@gmail.com