O porquê de Capitão Marvel/Shazam ser o maior super-herói das HQs

Ilustração do desenhista Alex Ross para a edição da série O REINO DO AMANHÃ (1996)Por que a figura do super-herói faz sucesso mundial independente da idade, gênero ou religião?

Semelhante as religiões do passado e mesmo nas de hoje, os super-heróis presentes em revistas e filmes atraem pessoas, inspiram e ajudam a preencher a necessidade do ser humano por algo além de sua realidade cotidiana.  

Novos deuses produzidos pela indústria cultural e que refletem o espaço e metamorfose do divino na sociedade consumista contemporânea.  

E tudo começou em Junho de 1938 com o nascimento da Era de Ouro dos Quadrinhos. 

O salvador vem do espaço

A cultura dos Super-heróis tem início na revista Action Comics #1 de Junho de 1938 que trouxe a icônica imagem na capa do Superman levantando um automóvel.

Um exemplar dessa revista quebrou o recorde de leilões no Ebay em 2014 sendo vendida por três milhões e duzentos mil dólares.

Dado a overdose de super-heróis em nossa sociedade hoje, é difícil imaginar o profundo impacto que o Superman trouxe para a cultura americana na época, pois até então, nunca antes na era moderna os leitores tinham lido uma história em que um homem pudesse fazer as coisas que o filho do planeta Kripton fazia. 

O sucesso sem precedentes do Superman, é claro, abriu os olhos dos editores da época e incontáveis heróis uniformizados mascarados ou não, com superpoderes ou habilidades especiais invadiram a América no fim dos anos 30 e toda a década de 40.

Super-heróis da Era de Ouro dos quadrinhos no traço de Alex Ross

Falei desse cenário, no caso abordando as primeiras super-heroínas, em outro post do blog que você pode ler clicando aqui.

Com maior ou menor sucesso, super-heróis e super-heroínas se estabeleceram ou sumiram tão repentinamente quanto surgiram, todos sempre tentando repetir o sucesso e, principalmente, a mística do Homem de Aço.

Super-heróis da Era de Ouro dos quadrinhos no traço de Alex Ross

Afinal de contas, sendo a criação de dois jovens judeus que tentavam ser bem sucedidos na América, Superman trazia consigo todo o simbolismo de ser um alienígena vindo de outro planeta e que, após crescer em uma fazenda, vai tentar a sorte na cidade grande de forma discreta e anônima esperando a oportunidade para usar seus talentos.

A essa imagem do imigrante que busca seu lugar no American Dream e que tinha forte apelo junto a boa parte de outros leitores também pertencentes a famílias de recém-chegados ao pais, a força simbólica do Superman vinha também de suas conexões no Judaísmo, sendo o personagem uma releitura do Messias que vem ao nosso mundo para salvar a humanidade.

Essa dimensão religiosa ganhou novos ares dentro de uma contexto em que o Superman é apresentado como uma alienígena que chega a Terra em sua nave oriundo de um planeta moribundo, algo alinhado com a crescente popularidade da Ficção Científica em meio a jovens fascinados com a promessa do progresso e da Ciência na época.    

Essa conjuntura de fatores fez do Homem de Aço um personagem imbatível dentro e fora dos quadrinhos, ou pelo menos foi assim até o início dos anos 40 quando surgiu um novo herói que não apenas rivalizou com Superman mas também o suplantou na preferência dos leitores: Capitão Marvel.

O Mortal mais Poderoso da Terra

Basta olha a capa da edição de estréia do Capitão Marvel na Whiz Comics #2 para perceber como desde o início National Comics (atual DC Comics) e a Fawcett Publications (do Capitão Marvel) se enfrentaram.

Criado em fins de 1939 e tendo sua estréia oficial na revista Whiz Comics #2 de fevereiro de 1940 o Capitão Marvel teve sua primeira aparição de fato na revista Flash Comics em uma edição preto-e-banco distribuída gratuitamente para patrocinadores (chamada de edição ashcan).

Publicação ashcan de Janeiro de 1940

Nesta publicação ele ainda tinha o nome de Capitão Trovão (Captain Thunder).  

Origem

O Mortal mais Poderoso da Terra, como ficou conhecido (e que servia para também alfinetar o alienígena Superman) foi criado pelo editor da Fawcett Publications Bill Parker a partir de uma pedido da editora, que até então só publicava histórias de humor, para entrar no lucrativo e crescente ramos dos super-heróis.

Originalmente a ideia de Parker era criar um supergrupo (o que seria inédito para a época) composto por seis jovens, cada um com o poder de um deus ou herói mitológico, mas os editores da Fawcett rejeitaram a ideia e todos os poderes foram concentrados em apenas um personagem.  

Tanto o nome Capitão Trovão quanto a ideia do supergrupo das crianças foram homenageados no arco FLASHPOINT da DC Comics, aparecendo na edição Flashpoint #4

Para a arte foi chamado o desenhista C. C. Beck que com a ajuda do seu assistente Pete Constanza moldou a imagem do Capitão Marvel a partir das feições de Fred MacMurray (imagem abaixo), grande astro do Cinema da época. 

Dentre centenas de revistas de super-heróis que inundavam as bancas de jornais e mercadinhos do período, as histórias do Capitão Marvel se destacaram pelo seu grau de inocência, apuro visual da arte de C. C. Beck e inovações editoriais e a Whiz Comics se tornou um estrondoso sucesso, principalmente junto as crianças.

Tempos depois, o veterano escritor de ficção científica Otto Binder substituiu Bill Parker nos roteiros e o personagem alcançou o seu auge nos anos da década de 1940.  

Poderes

Apesar de algumas mudanças ao longo dos anos, a origem do personagem começa de forma geral quando o órfão Bily Batson, sendo uma criança de coração puro apesar das adversidades, é escolhido pelo Mago Shazam para se tornar o campeão da justiça Capitão Marvel.

Para a transformação, acionada por meio de um relâmpago místico, bastava que Billy Batson dissesse o nome do mago, um acrônimo formado pelas letras S.H.A.Z.A.M. e que correspondia aos nomes dos seres lendários que lhe conferiam poderes. São eles:   

  • Salomão, que lhe conferia Sabedoria;
  • Hércules, que lhe conferia Força;
  • Atlas, que lhe conferia Resistência;
  • Zeus, que lhe conferia o Poder do relâmpago;
  • Aquiles, que lhe conferia Coragem e;
  • Mércurio, que lhe conferia Velocidade

Enquanto o Superman trazia o novo espírito científico das revistas da Ficção Científica para as HQs apontando para o futuro, o Capitão Marvel se alicerçava no charme do passado, apostando em uma releitura da tradição da magia e do mitológico que já produzia combatentes do crime místicos desde 1934, com o personagem Mandrake, de Lee Falk, o primeiro do tipo. 

Inovações de sucesso

A Fawcett Publications apresentou uma série de inovações em suas revistas de super-heróis que as diferenciaram das publicações de outras editoras, incluindo ai a National Comics (atual DC Comics), provocando os ânimos da até então líder do mercado. Dentre estas, cito aqui:

  • Histórias seriadas divididas em capítulos (as outras editoras apresentavam histórias fechadas em cada edição);
  • Uniforme diferenciado (até hoje considerado um dos mais elegantes do gênero e que diferenciava o herói dos demais heróis com a famigerada cueca por cima da calça, heranças das raízes circenses dos personagens);

  • Crossover entre super-heróis (Capitão Marvel encontrou os outros heróis da editora, Spy Smasher e Bulletman respectivamente nas edições Whiz Comics #15 e Master Comics #21);

  • Super grupo de vilões (A Sociedade Monstruosa do Mal foi apresentada em uma arco de 25 edições que durou entre 1942 a 1945).

  • Introdução em 1942 da primeira versão feminina independente, e não apenas uma parceira,  de um super-herói (Mary Marvel, antecedendo em quase uma década o surgimento de Supergirl).

O resultado dessas práticas inéditas foi traduzida em números, e a revista Captain Marvel Adventures vendeu em 1944 um total de 14 milhões de cópias e um milhão e trezentas mil cópias em média por edição durante o período em que foi publicada duas vezes por semana, se tornando os quadrinhos mais vendidos nos anos da década de 1940 superando, e muito, as revistas do Superman.

Além disso, o Capitão Marvel foi o primeiro super-herói adaptado para o Cinema, o que ocorreu já em 1941 no seriado em doze partes As Aventuras do Capitão Marvel, trazendo o ator Tom Tyler como o herói.

Luta de titãs

Cartum satirizando a disputa judicial entre a National Comics e a Fawcett .

Apenas um ano depois da estréia do Capitão Marvel e como reação ao enorme sucesso do personagem, a National Comics resolveu iniciar em 1941 um dos mais longos processos jurídicos da indústria dos quadrinhos até hoje contra a Fawcett Publications.

Após sete anos de litigio o caso foi a julgamento e em 1948 a Fawcett foi inocentada do crime da acusação de que o Capitão Marvel era uma cópia do Superman, mas em recurso impetrado pela National o caso foi novamente julgado e em 1953 a Fawcett perdeu.

O fim

Esgotada financeiramente pela disputa judicial e pela queda generalizada das revistas de super-heróis na década de 50, a Fawcet parou de publicar as aventuras do Capitão Marvel na Whiz Comics na edição #155 (Junho de 1953), na Captain Marvel Adventures na edição #150 (Novembro de 1953), e na The Marvel Family na edição #89 (Janeiro de 1954).

Era o fim da Família Marvel deixando milhões de fãs sem os seus super-heróis favoritos.  

Herança e retomada

Ainda nos anos 50, surgiu na Inglaterra outro super-herói em homenagem ao Capitão Marvel da Fawcett e que recebeu inicialmente o nome Marvelman, cujas publicações duraram até 1963.

Ao ser resgatado do ostracismo nos anos 80 pelo escritor Alan Moore Marvelman foi rebatizado como Miracleman, visto que a editora Marvel Comics havia criado um novo Capitão Marvel em 1967.

E o verdadeiro Capitão Marvel? 

Após comprar os direitos de publicação do super-herói no início dos anos 70 a agora DC Comics apresentou o personagem para uma nova geração na revista Shazam #1, de 1973.

Impedida de nomear a revista de Captain Marvel devido ao personagem da Marvel Comics, a DC usou o nome do personagem apenas no interior da revista.

Isso durou até a reformulação intitulada Novos 52, de 2011, quando de forma definitiva o personagem foi rebatizado de Shazam, recebendo, assim, o nome do Mago que concedeu os poderes ao jovem Billy Batson.

Ainda assim, talvez por lembranças do passado, até hoje a DC Comics nunca soube dar ao personagem o papel de destaque que ele tinha no passado. 

O segredo do Super-herói

Mas, afinal de contas, qual teria sido o segredo para o Capitão Marvel/Shazam ter alcançado durante a Era de Ouro dos Quadrinhos o status de maior super-heróis de seu tempo?

Para o crítico Christopher Knowles, o personagem é mais interessante que Superman principalmente porque ele não é uma pessoa real, mas sim uma entidade mágica no qual o jovem Billy Batson se transubstancia quando murmura o encantamento ocultista “Shazam”.

Este elemento central, apontado por Knowles, aparece mencionado por outras pessoas do mundo dos quadrinhos como  Jack Kirby, Bill Sienkiewicz, Mark Waid, Alex Ross, Jeff Smith e Geoff Johns no sentido de que o Capitão Marvel encarna o verdadeiro espírito dos quadrinhos que leva os leitores, principalmente as crianças, a lê-los: a possibilidade de se imaginar, de se transformar em um super-herói

Diferente do Superman ou do Homem-Aranha, que fingem não ter poderes para se passar por pessoas normais, ou de Batman que conta apenas com suas habilidades físicas e intelectuais, Shazam vive em dois mundos: o dos mortais e dos deuses.

Condição única explorada pelo roteirista Mark Waid em Reino do Amanhã (1996).

Em O REINO DO AMANHÃ. o Capitão Marvel é o Salvador pois se sacrifica para o bem estarde dois mundos.

Contribui para o fascínio do personagem, como dito anteriormente, a releitura de elementos do mundo do Maravilhoso e do Ocultismo, como o poder da palavra mágica e o poder de voar.

Alias, o Superman passou a voar como uma maneira de tentar competir com o Capitão Marvel, pois até então o herói de Kripton apenas dava super saltos. 

Essa ligação de Shazam com o místico, que lhe confere também o epíteto de “Campeão da Magia” se alinha com as observações da escritora Nelly Novaes Coelho em Literatura Infantil (1997) sobre o fato do infantil e do primitivo não disporem de conhecimento científico ou racionalista, o que os aproximam do Maravilhoso como uma maneira de dar sentido ao mundo.

Por esta razão, as crianças sentem mais afinidade com o mágico Shazam do que com o extraterrestre Superman. E,no fim das contas, quadrinhos é fantasia.   

Sugestões de leitura

Com o anúncio do filme do Shazam o super-herói vai voltar a ficar na moda. Para se familiar com sua história recomendo os seguintes materiais disponíveis no Brasil e que não estão esgotados até o momento em que escrevo este post:

Se você gostou do post, compartilhe com seus super amigos e super amigas e até a próxima!

Fontes utilizadas

COELHO, Nelly Novaes. Literatura infantil. São Paulo: Editora Ática, 1997.

JONES, Gerad. Homens do amanhã: geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis. Trad. Guilherme da Silva Braga e Beth Vieira. São Paulo: Conrada Editora do Brasil, 2006.

KIDD, Chip, SPEAR, Geoff. Shazam! The Golden Age of the world’s mightiest mortal. New York: Abrams, 2010.

KNOWLES, Christopher. Nosso deuses são super-heróis. Trad. Marcello Borges. São Paulo: Cultrix, 2008.

TEITELBAUM, Michael, BEATTY Scott, GREENBURGER, Robert. The DC Comics Illustrated Encyclopedia. New York: DK Adult, 2008. 

VIOTTE, Michel. Once upon a time the superheroes (De Superman à Spider-Man: L’aventure des superhéros). Canada/França. DVD. 2001 .

 

 

 

 

Seguir Alexander Meireles da Silva:

Professor Associado da UFG-Regional Catalão

Nerd, Doutor em Literatura Comparada, Mestre em Literaturas de Língua Inglesa e Especialista em Educação a Distância. Professor Associado de Língua Inglesa e Literaturas na Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão e Pesquisador do Fantástico (Fantasia, Gótico e Ficção Científica) na Literatura e no Cinema.

Comentários estão fechados.